Hej hej! É assim que se diz olá aqui na Suécia, um país bem distante do Brasil e que eu nunca imaginei vir parar um dia. Meu nome é Simone Becher, eu sou membro do Educações em Rede. Cheguei na Suécia em fevereiro de 2020 por conta de uma oportunidade de trabalho para meu esposo e decidi dar início à aprendizagem da língua sueca antes de qualquer coisa.

Apesar da esmagadora maioria dos suecos falarem inglês fluente, existe um incentivo muito grande por parte do governo para que os imigrantes aprendam a língua sueca, a fim de proporcionar uma melhor integração à sociedade sueca. Lá fui eu então me inscrever no que eles chamam de SFI (Svenska för Invandrare – ou sueco para imigrantes). Como estávamos no início da pandemia, quando as aulas começaram em abril, as aulas que antes eram presenciais, passaram a ser on-line com a plataforma Moodle junto com a ferramenta de videoconferência Zoom. Eu já gostei de imediato, pois amo usar tecnologias para aprender!

Apesar de eu ser Mestre e Doutora em Educação e ter já bastante experiência em Ensino a Distância on-line, confesso que eu tenho aprendido muito com os professores suecos, em termos de boas práticas no uso das tecnologias para o ensino. O que mais me chamou a atenção é que eles usam, com muita naturalidade, um método chamado Flipped Classroom ou em português “Sala de aula invertida”, só que adaptado para o ensino on-line.

Como funcionam exatamente as minhas aulas neste modelo:

Primeiramente, no Moodle os professores colocam a cada duas semanas o tema que iremos trabalhar, por exemplo: saúde e bem-estar. A partir deste tema, eles estabelecem uma “To do list“, contendo todas as tarefas que nós precisamos realizar durante estas duas semanas que incluem:

1) Planejamento das nossas atividades – Cada aluno faz a sua agenda para as duas semanas de trabalho com o mesmo tema;

2) Cerca de 5 assignments (atividades obrigatórias) que precisamos entregar no próprio Moodle. Elas podem ser envio de texto, fórum, gravação de áudio, apresentação de slides, etc.

3) Aulas síncronas on-line no Zoom de 50 min, cada e;

4) Reuniões de mentoria com os professores que disponibilizam um tempo para nos auxiliar de modo individual e para dar feedback.

Para as atividades, os professores sempre disponibilizam links de vídeos, sites e outros materiais de apoio interativos, ou seja, os alunos têm muitos recursos para estudar autonomamente, o que deve ser feito, caso contrário, não se consegue aprender a língua. No método “Sala de aula invertida”, o aluno estuda antes em casa e pratica na aula. É basicamente assim que funciona.

Para atender a estas aulas on-line síncronas no zoom de 50 min, é necessário se preparar previamente e é aí que a Flipped Classroom entra em ação com força total. No início da primeira semana de trabalho, os professores sempre descrevem a atividade que será realizada no encontro no Zoom e enviam links contendo materiais e referências para que os alunos se preparem para a atividade e possam participar de maneira ativa, ou seja, não existe ir para o Zoom “assistir uma aula de sueco”. Os professores NUNCA “deram” uma aula sequer, eles apenas ajudam os estudantes durante a realização/execução das atividades tirando dúvidas e orientando. Essas atividades síncronas no Zoom podem ser do tipo: desenvolver uma conversa sobre como manter a saúde ou quais as dicas que você daria para quem quer ter uma vida saudável, ou analisar textos e produções dos colegas, etc.

É uma aprendizagem totalmente ativa e depende totalmente do empenho e interesse do estudante em aprender. Eu confesso que no inicio estranhei muito, pois minhas aulas de inglês a vida inteira foram muito centradas na figura do professor, nos livros didáticos e na repetição, ou seja, no método tradicional de ensino. Entretanto, eu já havia desenvolvido uma boa autonomia durante o mestrado e o doutorado, o que me ajudou a não ficar tão perdida dentro dessa modalidade que, embora eu tire de letra enquanto professora, confesso que sinto ainda muitas dificuldades como estudante.

Enfim, já se passaram cinco meses desde que iniciei essa jornada eu eu confesso que estou muito feliz com a oportunidade de ser aluna dentro de um modelo tão dinâmico e que promove o desenvolvimento da maturidade e responsabilidade dos estudantes. Certamente, levarei todas essas aprendizagens para a minha prática, nas disciplinas que eu ministro e que eu irei ministrar no futuro.

Hejdå (Tiau)!