Por Joana Patino

A inteligência emocional (IE) é reconhecidamente uma das habilidades do século XXI. 

Desde 2019, a IE figura nas listas de soft skills requeridas para o profissional do presente e do futuro. Essa presença não foi diferente no último relatório do Fórum Econômico Mundial sobre o Futuro do Trabalho, no qual a inteligência emocional figura como uma das top 15 competências para 2025.

Uma razão, mas não a única, que torna a inteligência emocional item fundamental da caixa de “competências” de qualquer trabalhador é o fato desta ser responsável por 58% do desempenho profissional, segundo a TalentSmart.

Somando-se a isso, vivemos o momento pandêmico. Não foram “só 15 dias” de isolamento, de perdas de vida humana e econômica, de incertezas, medo e frustração, o que leva a 53% dos brasileiros declararam que seu bem-estar mental piorou em algum grau no último ano, segundo o Instituto IPSOS.

Mas afinal, o que está por trás do foco dado à esta competência?

A inteligência emocional pode ser definida como a capacidade reconhecer, compreender e gerir as nossas próprias emoções. Bem como, reconhecer, compreender e influenciar as emoções dos outros.

A IE, quando desenvolvida, permite que você mantenha o equilíbrio, conheça e aceite as suas emoções, melhore os seus relacionamentos consigo mesm@ e com o outro e masterize as suas ações, sendo mais assertivo nas suas respostas comportamentais. 

E vamos além…

Entender suas emoções e saber reagir a elas também aumenta a sua autoconfiança, bem como influencia sua vida pessoal, os seus relacionamentos e a sua capacidade de adaptação, competência fundamental no mundo de hoje.

Acho que começamos a ter uma ideia de quão fundamental é a IE, concorda?

Agora vamos analisar essa competência no universo da educação.

O bom ensino não depende única e exclusivamente do método empregado pelo professor e do conteúdo transmitido. Ele advém também da capacidade do professor se conectar com os seus educandos e com o conteúdo que transmite. E isso envolve necessariamente inteligência emocional.

Para educadores, defendemos que a inteligência emocional assume dupla função, que são indissociáveis.

Primeiro, a função de promoção de bem-estar para os educandos. 

Neste lugar, a prática docente implica em atividades como: a estimulação afetiva e a expressão regulada dos sentimentos positivos e das emoções negativas, e a criação de um ambiente de trabalho positivo capaz de facilitar o desenvolvimento das capacidades socioemocionais nas crianças e jovens (Valle, 2006).

Para isso, o professor acaba por lançar mão da sua compreensão empática (dimensão da inteligência emocional), o que permite enxergar e compreender os sentimentos dos educandos, sintonizando-se com o que estes estão sentido e, consequentemente, adaptando suas ações.

Segundo, e não menos importante, o fortalecimento da IE em professores configura-se como fator de proteção do stress inerente à esta profissão.

Portanto, é urgente desenvolver emocionalmente os professores para que se fortaleçam e se preparem para enfrentar os novos desafios de um contexto laboral estressante por natureza, e que vem sofrendo constantes mudanças significativas. Como consequência, acaba exigindo ainda mais dos professores a capacidade de adaptação.

É aqui que a Mentoria sobre Inteligência Emocional para Professores ganha sentido. Pretendemos ser um espaço de desenvolvimento da autoconsciência, autorregulação e automotivação dos professores, levando-os a refletir sobre as suas emoções e sair do piloto automático. Como resultado, sendo capaz de acionar modo intencional de agir.

Teremos cinco encontros teórico-práticos, via zoom, que possibilitarão que você conheça e aplique na sua vida e no seu trabalho as competência necessárias para maximizar a sua inteligência emocional.

Para quem é essa mentoria?

Para quem exerce a autorresponsabilidade e se compromete com a sua própria mudança.

Para quem deseja sair da zona de conforto e está dispost@ e preparado para experimentar coisas diferentes.

Para quem deseja vivenciar em grupo e com todo cuidado um processo de autoconhecimento e mudança.

Quem vai mentorar os encontros?

A mentoria será facilitada por Joana Patino, empreendedora do conhecimento, mentora de Carreira e Educadora no Brasil e Europa, e também Formadora Certificada em Portugal. 

Mestre em Psicologia e Especialista em Psicologia Positiva pela PUC/RS é estudiosa e entusiasta da Psicologia Positiva, com olhar especial para os temas: Life Design, Propósito, Flow, Carreira e Desenvolvimento de Habilidades Socioemocionais, Futuro do Trabalho e Educação Positiva como estratégia para o florescimento.

Com mais de 10 anos de experiência na área de desenvolvimento humano, é Embaixadora no Clube de Mulheres de Negócios em Lingua Portuguesa, integrante do Educações em Rede, e co-criadora do projeto Soul Inteira –  desenvolvimento emocional e autogestão.

Ficou interessad@ em participar desse espaço colaborativo de desenvolvimento emocional?

Inscreva-se gratuitamente, clicando aqui